CANAIS DIRETO DE ATENDIMENTO

1 Envie seu e-mail pelo formulário de contato. Clique aqui!
2 Atendimento por telefone.
+55 (83) 3322 - 3222

Antes de entrar em contato recolha todos os dados necessários da sua dúvida. Agradecemos seu contato!

HORÁRIOS DE ATENDIMENTO

Seg. a Sex. de 08h às 12h e 13h às 17h.
Sábados, Domingos e Feriados toda solicitação deverá ser enviada pelo e-mail contato@fipedbrasil.com.br.

EFETUOU CADASTRO E ESQUECEU SUAS CREDENCIAIS?

Grupos de Trabalhos


O GT pretende reunir trabalhos que versem sobre pesquisas no campo da História da Educação; Ensino de História da Educação; Ensino de História; Historiografia; Patrimônio Escolar; Materiais pedagógicos; Instituições Escolares; Memória e práticas escolares formais e não formais.

O GT pretende debater sobre pesquisas e relatos de experiências que analisem interdisciplinarmente os fundamentos da educação com ênfase nas categorias: Filosofia e Sociologia. Nesta perspectiva, pretende-se ampliar o debate sobre os campos da filosofia e da sociologia que se ocupam da reflexão sobre os processos educativos, os sistemas educativos, a sistematização de métodos didáticos, entre outros temas relacionados com a educação.

Contribuições da psicologia no processo educativo. Papel do psicólogo escolar frente aos modelos clínico e educacional. Habilidades necessárias ao psicólogo escolar: possibilidades e limites da intervenção. Relações interpessoais na escola. Atuação frente a queixas escolares específicas (dificuldades de aprendizagem, orientação profissional, sexualidade, indisciplina e socialização).

O GT objetiva, no âmbito do debate sobre formação de professores e as práticas escolares, contemplar pesquisas sobre: reflexões sobre a qualidade do trabalho escolar; apreciação qualitativa da práxis docente; avaliação escolar; atribuição de notas e conceitos; avaliação e construção de conhecimento; a dicotomia: avaliação e educação; tendências teóricas da avaliação; avaliação classificatória e os (des)caminhos da escola; avaliação mediadora: diálogo professor/aluno; A reflexão crítica como fundamento da formação docente; A atuação profissional com fins emancipatórios: experiências de ensino e aprendizagem na escola; reflexões críticas sobre a formação docente ofertada nos cursos de Pedagogia; Atuação profissional alicerçada no compromisso com a humanização dos indivíduos; o trabalho docente na escola como categoria de análise e problematização como atividade pedagógica específica e especializada em conhecimentos e saberes; práticas inovadoras, centradas na produção do conhecimento e na sua socialização individual e coletiva, na perspectiva da formação humana omnilateral; didática e formação de professores.

O GT pretende aglutinar trabalhos que versem sobre o princípio educativo dos Movimentos Sociais, sua luta política, empoderamento e resistência frente as contradições materiais de produção da existência. Debater questões que englobem: luta de classes; marxismo, anarquismo, sindicalismo, partidos políticos, experiências educativas (formal e informal), educação popular, educação do campo, MST, Feminismo, Indígenas, Negros, LGBTT, Habitação, Saúde, Ambiental, Estudantil, entre outros.

Pretende reunir pesquisas no âmbito da política, do planejamento e da gestão da educação nos diferentes níveis, nacional, estadual, municipal, e/ou em gestão escolar, com ênfase em atividades de pesquisa, ensino ou extensão. Como também investigações interrelacionadas com espaços identificados como não-escolares. E ainda textos que invistam em análise/avaliação de políticas voltadas à educação: documentos oficiais, práticas públicas/institucionais, limites e possibilidades de tais ações no contexto escolar.

Objetiva-se, com a presente proposta, debater aspectos conceituais, epistemológicos, filosóficos e pedagógicos que subjazem à inclusão escolar de crianças, jovens e adultos com deficiência, como: projeto compartilhado, currículo adaptado, organização flexível, barreiras atitudinais e/ou inclusivas na comunidade educacional e formação docente. Desse modo, ao selecionar relatos de experiências, artigos e ensaios acadêmicos, resultantes de pesquisas na graduação ou pós-graduação, que contenham em seus corpus questões inerentes às bases e práticas escolares de orientação inclusiva, busca-se, principalmente, refletir, evidenciar e problematizar experiências e ações que estão contribuindo para um ensino para Todos, e que são propagadoras de novas possibilidades educacionais.

O GT tem como objetivo socializar saberes e conhecimentos sobre gênero, diversidade sexual e escola, oriundos de experiências desenvolvidas nos espaços acadêmico (do ensino, da pesquisa e da extensão) e nos demais espaços de formação. Desta maneira assume-se uma dimensão de relevância social, na medida em que nossa sociedade, apesar dos avanços no campo da sexualidade, tem demonstrado bastante intolerância e resistência em reconhecer e valorizar as diferenças e de compreender os direitos sexuais enquanto direitos humanos, portanto, como necessários à efetivação de uma educação, de fato, para todas e todos. Pretende-se, assim, pensar práticas educativas escolarizadas que proporcionem relações sociais positivas com LGBTT no ambiente escolar, apresentando subsídios importantes para a análise do trato com e sobre a diversidade sexual no espaço escolar. Acredita-se que socializar saberes, conhecimentos e questionamentos acerca das fragilidades e possibilidades do espaço escolar é uma importante estratégia para desenvolver uma educação sexual sob a perspectiva do enfrentamento ao sexismo e à homofobia.

O GT objetiva reunir pesquisadores(as), professores(as) e alunos(as) interessados(as) em discutir o processo de implementação da educação etnicorracial a partir da institucionalização das Lei 10.639/03 e 11.645/08 que determinaram a obrigatoriedade do ensino de História e Cultura Afrobrasileira, Africana e Indígena no sistema educacional de ensino. Assim, refletir sobre os avanços, os obstáculos e os limites encontrados ao longo do processo de implementação de uma educação voltada para o reconhecimento e a valorização da diversidade etnicorracial no Brasil.

O GT objetiva evidenciar a cosmovisão africana destacando conceitos de educação, ancestralidade, interculturalidade, diáspora, política, migrações, desenvolvimento, sexualidades, corpo, religiosidade, saúde/doenças, entre outros.

Pesquisas no campo da educação matemática. Experiências educativas escolares e não escolares na área da matemática (educação infantil e anos iniciais do ensino fundamental). Processos e estratégias de aprendizagem matemática. Formação de professores e Ensino de Matemática.

A educação infantil na ldb; objetivos da educação infantil na contemporaneidade; conteúdos e princípios da proposta curricular e os pcn’s; tendências atuais em educação infantil; atividades essenciais em educação infantil; métodos de ensino aplicáveis à educação infantil; práxis docente e ludicidade npara crianças de 0 a 5 anos; formação inicial e continuada de professores para o atendimento em creches e pré-escolas; infância e educação infantil no brasil: desafios e perspectivas; o brinquedo e a brincadeira na educação infantil: perspectivas na construção de propostas pedagógicas; cotidiano na educação infantil: organização do espaço e do tempo; construção social da infância: repercussões na montagem de um projeto político pedagógico para o ensino infantil; políticas educacionais e desdobramentos na educação infantil; formação de educadores para ensino infantil e a construção da identidade profissional; currículo, formação docente e prática educativa na educação infantil; a pesquisa no cotidiano da educação infantil: perspectivas de interação na formação do sujeito.

Objetiva-se reunir Pesquisas no campo do Ensino de Ciências e Educação Ambiental. Experiências educativas escolares e não escolares na área do Ensino de Ciências e Educação Ambiental (Educação Infantil, anos iniciais do Ensino Fundamental, Ensino Médio e EJA). Processos e estratégias de aprendizagem Ciências e Educação Ambiental. Projetos comunitários no âmbito da Educação Ambiental e da sustentabilidade. Formação de professores, Ensino de Ciências e Educação Ambiental.

O GT pretende debater sobre: Processos Históricos da Eja; Políticas Públicas e a Eja; Formação e Práticas Docentes; Instrumentos de Avaliação, Metodologia de Ensino na Eja; Relação Professor Aluno no Contexto da Eja; Os Sujeitos da Eja;. juventude e formação na escola pública; juventude, formação e atuação no mercado de trabalho; juventude, cultura e identidade; pesquisa e juventude – propostas inovadoras de metodologias e técnicas de investigação com os jovens; juventude, formação humana e dialogicidade em paulo freire; organização da escola e valorização da cultura jovem; juventude, educação popular e formação em espaços não escolares; vivências da juventude no associativismo/cooperativismo e economia solidária.

O GT pretende reunir pesquisas e relatos de experiências sobre: a educação voltada aos direitos humanos tanto no âmbito formal como não formal; educação e direitos humanos no currículo escolar; práticas escolares para a igualdade e a dignidade humana; A escola como espaço de emancipação e diálogo intercultural com as diferenças; A cidadania apoiada na igualdade entre os sujeitos e na participação/formação plena dos indivíduos; educação, desigualdades sociais e direitos humanos; classes sociais, escola e direito pleno à cidadania.

Objetiva-se reunir Pesquisas no campo do Ensino de Língua Portuguesa e múltiplas linguagens. Concepções de linguagem e o cotidiano escolar. Experiências educativas, escolares e não escolares, na área de linguagem (Educação Infantil, anos iniciais do Ensino Fundamental, Ensino Médio, EJA e Comunidade). Processos e estratégias de aprendizagem no Ensino de Língua Portuguesa. Formação de professores e Ensino de Língua Portuguesa.

Este grupo de trabalho reconhece a alfabetização como a aquisição do sistema convencional de escrita e o letramento como o desenvolvimento de comportamentos e habilidades de uso competente da leitura e da escrita em práticas sociais. Considerando o exposto objetiva agregar propostas de investigação que reflitam sobre as práticas de múltiplas linguagens, leitura e escrita na alfabetização, considerando que a criança alfabetiza-se, constrói seu conhecimento do sistema alfabético e ortográfico da língua escrita, em situações de letramento, isto é, no contexto de e por meio de interação com material escrito real, e não artificialmente construído (SOARES, 2004). Investigações sobre alfabetização que adotam concepções teóricas oriundas de outros referenciais também serão aceitas, no sentido de, assim, travarmos também um diálogo entre vertentes teóricas distintas. Pretende ainda debater sobre: aquisição da leitura e da escrita; metodologias de alfabetização; formação docente.

O GT pretende debater sobre práticas transdisciplinares e interdisciplinares na arte-educação; Ensino de arte no Brasil e perspectivas para a educação. Práticas escolares, formação de professores, arte e educação; arte-educação no Ensino Fundamental e Educação Infantil; Processos de criação e expansão através da integralização das linguagens: artes plásticas, música, teatro e dança; Pesquisas sobre Parâmetros Curriculares Nacionais e a Proposta Curricular para o ensino da arte; Relatos de experiências sobre arte-educação em espaços escolares e não escolares.

A proposta de Grupo de Trabalho com abordagem da temática Trabalho e Educação tem como objetivo debater a problemática que envolve a categoria trabalho, compreendendo-a como elemento fundante da sociabilidade humana e suas implicações para a educação, partindo dos pressupostos do materialismo histórico-dialético. Nesse GT propõe-se favorecer uma análise sobre a relação Trabalho e Educação no quadro econômico-social, político e ideológico evidenciado no arranjo societário do capitalismo contemporâneo. Serão fomentadas reflexões críticas sobre a educação contemporânea no contexto de uma crise social sem precedentes, na qual ocorre a privatização da educação e do conhecimento e aprofunda-se a deterioração da educação pública. Diante disso, parte-se da perspectiva de favorecer um debate crítico que se proponha a refletir sobre os processos políticos que a percorrem, buscando um entendimento da articulação trabalho e educação na perspectiva da emancipação humana.

O GT pretende debater sobre: As Transformações Produtivas e Educação Profissional; Juventude, Trabalho e Educação; Educação Profissional e Tecnológica No Brasil; Perspectivas Históricas e Filosóficas da Educação Profissional; Educação Profissional e Tecnológica: Dualidade Histórica e Perspectivas de Integração; Programas de Educação Profissional, Reformas, Crise e Cortes na Educação Brasileira; O Ensino Médio e a Profissionalização da Juventude;

Pretende reunir trabalhos que versem sobre: Na primeira seção são apresentadas as principais mudanças e características do ambiente universitário ao longo dos séculos no Brasil; a expansão da oferta e da procura do mercado universitário no mundo e seus aspectos contraditórios no Brasil; o espaço contraditório da universidade no mercado multidiverso do ensino superior; a mercantilização universidade; exigências de qualidade para o Ensino Superior, destacando a relevância da pesquisa e o papel da pós-graduação; regulação e corporativismo nas instituições de Ensino Superior, entraves a serem superados para a eficácia dessas instituições.

O Grupo de Trabalho é afinado ao movimento de elasticidade epistemológica desencadeada pelas Ciências Humanas, onde tem-se oportunizado teórica e metodologicamente, desnaturalizar-se um tal saber disciplinar, encastelado em si mesmo, em seus saberes, para um saber-fazer entre-lugares, no contínuo do qual a pesquisa seja mediada com a socialização de conceitos de diversas áreas disciplinares do conhecimento humano. A pesquisa Interdisciplinar, então, é concebida como lugar da interseção entre fronteiras disciplinares que, compartilhando diversidades, deseja um mergulho profundo e denso nas contradições materiais/imateriais de produção da existência humana, ou seja, da integralidade do fazer cultural. Isto porque o ser humano germina-se das relações sociais que os indivíduos estabelecem na interação entre natureza, trabalho e cultura.

O objetivo deste grupo de trabalho é debater: tendências atuais da mídia-educação no Brasil/Mundo, seus conceitos e ações; sociedade em rede; a revolução tecnológica que se desenrola em nosso tempo e vem estabelecendo a chamada sociedade do conhecimento; reestruturação produtiva; sociedade da informação X sociedade da aprendizagem; tecnologias da informação e comunicação e a escola; tecnologias da informação e comunicação e formação de professores; tecnologias da informação e comunicação e os processos de ensino e aprendizagem.

O GT deseja congregar investigadores que transdisciplinarmente tenham os saberes/fazeres dos povos das florestas “índios” como lugar de cultura, história, memória e educação (difusa ou escolar). Analisar o protagonismo histórico de luta e resistência dos movimentos sociais organizados dos povos indígenas, em diferentes espaços e temporalidades. Debater acerca das múltiplas dimensões da história indígena e da presença indígena na história. Refletir a consciência étnica, que se faz na luta pela terra expropriada, que remonta ao processo brutal de genocídio e etnocídio em nome da fé e da ganância mercantilista colonial e pós-colonial, pela identidade negada, mas não apenas, este fazer-se, desigual e combinado, evidencia-se também como território hibrido de disputa pelos (res)significados ancestrais.

Discutir questões relacionadas aos processos de formação e profissionalização docente e temas relacionados diretamente ao trabalho do professor. Estudos sobre a problemática da formação do educador, sobre a profissão e o trabalho docente, além de estudos sobre as condições de trabalho e suas implicações sobre o professor como pessoa e como profissional deverão compor essa sessão de comunicação. Acreditamos que investir na compreensão das experiências de vida social e profissional desse grupo é fundamental para saber quem são, o que pensam e sentem, e como agem no cotidiano do trabalho.

TOP

A wonderful serenity has taken possession of my entire soul, like these sweet mornings of spring which I enjoy with my whole heart. I am alone, and feel the charm of existence in this spot, which was created for the bliss of souls like mine.

I am so happy, my dear friend, so absorbed in the exquisite sense of mere tranquil existence, that I neglect my talents. I should be incapable of drawing a single stroke at the present moment; and yet I feel that I never was a greater artist than now.

When, while the lovely valley teems with vapour around me, and the meridian sun strikes the upper surface of the impenetrable foliage of my trees, and but a few stray gleams steal into the inner sanctuary, I throw myself down among the tall grass by the trickling stream; and, as I lie close to the earth, a thousand unknown plants are noticed by me: when I hear the buzz of the little world among the stalks, and grow familiar with the countless indescribable forms of the insects and flies, then I feel the presence of the Almighty, who formed us in his own image.

Duis dictum tristique lacus, id placerat dolor lobortis sed. In nulla lorem, accumsan sed mollis eu, dapibus non sapien. Curabitur eu adipiscing ipsum. Mauris ut dui turpis, vel iaculis est. Morbi molestie fermentum sem quis ultricies. Mauris ac lacinia sapien. Fusce ut enim libero, vitae venenatis arcu. Cras viverra, libero a fringilla gravida, dolor enim cursus turpis, id sodales sem justo sit amet lectus. Fusce ut arcu eu metus lacinia commodo. Proin cursus ornare turpis, et faucibus ipsum egestas ut. Maecenas aliquam suscipit ante non consectetur. Etiam quis metus a dolor vehicula scelerisque.

Nam elementum consequat bibendum. Suspendisse id semper odio. Sed nec leo vel ligula cursus aliquet a nec nulla. Sed eu nulla quam. Etiam quis est ut sapien volutpat vulputate. Cras in purus quis sapien aliquam viverra et volutpat ligula. Vestibulum condimentum ultricies pharetra. Etiam dapibus cursus ligula quis iaculis. Mauris pellentesque dui quis mi fermentum elementum sodales libero consequat. Duis eu elit et dui varius bibendum. Sed interdum nisl in ante sollicitudin id facilisis tortor ullamcorper. Etiam scelerisque leo vel elit venenatis nec condimentum ipsum molestie. In hac habitasse platea dictumst. Sed quis nulla et nibh aliquam cursus vitae quis enim. Maecenas eget risus turpis.