CANAIS DIRETO DE ATENDIMENTO

1 Envie seu e-mail pelo formulário de contato. Clique aqui!
2 Atendimento por telefone.
(83) 33412299
3 Chat on-line.
Clique aqui!

Antes de entrar em contato recolha todos os dados necessários da sua dúvida. Agradecemos seu contato!

HORÁRIOS DE ATENDIMENTO

Seg. à Sex. de 08h às 12h e 13h às 17h.
Sábados, Domingos e Feriados toda solicitação deverá ser enviada pelo e-mail contato@fipedbrasil.com.br.

EFETUOU CADASTRO E ESQUECEU SUAS CREDENCIAIS?

Grupos de Trabalhos


Proponentes:MARCIEL ALAN FREITAS DE CASTRO, JÉSSICA LUANA FERNANDES, LEANDRO GOMES SILVA, MANOEL GUILHERME DE FREITAS
O presente Grupo de Trabalho insere-se no âmbito das discussões propostas pelo projeto 'O desafio de ensinar a leitura e a escrita no contexto do Ensino Fundamental de nove anos', e das reflexões e estudos realizados por pesquisadores do Grupo de Estudos e Pesquisas em Planejamento do Processo Ensino-Aprendizagem (GEPPE) da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte - UERN. Nos embasamos teoricamente em estudos de Celso Cisto (2005), Cléo Busatto (2003, 2006), Fanny Abramovich (2001), Gládis Kaercher (2001), Roger Chartier (2001), dentre outros que se dedicam a temática em foco. Salientamos que nosso interesse está voltado para os seguintes tópicos: O uso das TICs (Tecnologias de Informação e Comunicação) em práticas educativas na alfabetização como uma oportunidade de compreender sobre o(s) suporte(s) ou elementos portadores de textos; a arte de contar histórias como mediação de leitura do professor alfabetizador; o desenvolvimento de práticas docentes na Educação Infantil e Ensino Fundamental I e II, ou seja, o desenvolvimento de habilidades cognitivas, estratégias pedagógicas, práticas literárias que potencializam a linguagem infantil e juvenil.

Proponentes:ARIANE KERCIA BENÍCIO DE SÁ, SUEILTON JUNIOR BRAZ DE LIMA
Partindo do pressuposto que a pesquisa é uma atividade de extrema importância na formação inicial e continuada de docentes, reconhecemos a necessidade de se pensar em educação além dos limites da reprodução de modelos e longe da preocupação de alcançar resultados imediatos. Enxergamos a necessidade de se compreender a prática do professor como ponto limiar para transformações. São nas experiências cotidianas que assistimos o confronto entre teoria e prática e são nas escolhas metodológicas do professor que se determina e quebram-se os limites desta relação. Não podemos ignorar, porém, que a integração entre teoria e prática na sala de aula representa sempre um grande desafio. Mas as discussões acadêmicas a respeito do professor enquanto pesquisador têm sido bastante difundidas, por causa, principalmente, dos relatos mais constantes sobre experiências em salas de aulas e das possibilidades provenientes das técnicas da pesquisa-ação. (ANDRÉ et al., 2002), (LÜDKE et al., 2001), (PAQUAY, PERRENOUD, ALTET e CHARLIER, 2001) e (ZEICHNER, 2002). Com base nisso, este GT propõe reunir trabalhos que busquem discutir e compreender a relação teórico-prática desenvolvida pelos professores em sua prática docente. Objetiva-se que através das pesquisas desenvolvidas e dos relatos de experiências possamos registrar contribuições relevantes para a reflexão da identidade e da formação docente, considerando o papel ativo do professor na constituição de métodos de ensino que inteirem teoria e prática no contexto de sala de aula, transformando-o no principal espaço de construção de múltiplos saberes.

Proponentes:ANANIAS AGOSTINHO DA SILVA, JOCEILMA FERREIRA DANTAS
Os conceitos de alfabetização e letramento, hoje bastante difundidos no Brasil, ainda têm sido confundidos ou mesmo fundidos. Há quem diga tratar-se de pura sinonímia ou mesmo quem defenda que as distinções entre ambos são irrelevantes. Entretanto, conforme Soares (2004), ao menos no plano pedagógico, a distinção torna-se conveniente, embora também seja imperativamente conveniente que, ainda que distintos, os dois processos sejam reconhecidos como indissociáveis e interdependentes. Assim, reconhecemos a alfabetização como a aquisição do sistema convencional de escrita e o letramento como o desenvolvimento de comportamentos e habilidades de uso competente da leitura e da escrita em práticas sociais. Considerando o exposto, este grupo de trabalho busca agregar propostas de investigação que reflitam sobre as práticas de leitura e escrita na alfabetização, considerando que a criança alfabetiza-se, constrói seu conhecimento do sistema alfabético e ortográfico da língua escrita, em situações de letramento, isto é, no contexto de e por meio de interação com material escrito real, e não artificialmente construído (SOARES, 2004). Investigações sobre alfabetização que adotam concepções teóricas oriundas de outros referenciais também serão aceitas neste grupo de trabalho, no sentido de, assim, travarmos também um diálogo entre vertentes teóricas distintas.

Proponentes:FRANCICLEIDE CESÁRIO DE OLIVEIRA FONTES, FRANCISCA ROSENEIDE GURGEL CAMPÊLO, IANDRA FERNANDES PEREIRA CALDAS, KEUTRE GLÁUDIA DA CONCEIÇÃO SOARES BEZERRA, MARIA ERIDAN DA SILVA SANTOS
O desenvolvimento de atividades lúdicas é considerado uma alternativa facilitadora na alfabetização de crianças, tendo em vista que exerce o poder motivador da aprendizagem, estimulando o interesse por ser uma atividade que dá prazer tanto para o professor como para a criança, facilitando a construção de sentido e de significado na aprendizagem. Sendo assim, o objetivo desta proposta de Grupo de Trabalho/GT, é receber artigos que envolvam estudos e pesquisas de diferentes possibilidades de análises e intervenções relacionadas aos processos de alfabetização de crianças envolvendo a ludicidade. Abrange as discussões sobre: o uso do lúdico como estratégias de aprendizagem na alfabetização de crianças; experiências lúdicas de leitura e de escrita na alfabetização de crianças; práticas de alfabetização na perspectiva do alfabetizar letrando e a relação dessas práticas com as aprendizagens das crianças; análise de práticas de professores/as alfabetizadores/as.

Proponentes:DÉBORA ALDYANE BARBOSA CARVALHO, ANA TEREZA CORREIA MAIA DE MORAIS, SIMONE GADÊLHA DE SOUZA
A proposta visa disseminar o conhecimento resultante dos estudos e pesquisas realizadas em educação; promover a investigação, reflexão e discussão sobre a avaliação, as políticas públicas e a gestão da educação como elementos fundamentais ao estímulo da pesquisa como prática pedagógica na formação inicial do pedagogo. Nesse sentido, os trabalhos devem contemplar estudos sobre a avaliação em diversas nuances: avaliação da aprendizagem; avaliação institucional; avaliação integrada de políticas públicas definidas para a educação que relacionem a importância da prática da pesquisa para a formação docente; avaliação dos impactos das avaliações em larga escala sobre os sistemas de ensino. Estudos sobre gênero e relações étnico/raciais e educação inclusiva em espaços de educação e de formação, assim como pesquisas sobre planejamento, execução e avaliação de políticas educacionais para uma educação e uma pedagogia não discriminatória. Contempla ainda estudos das políticas de formação docente e de gestão pedagógica de processos educacionais; Políticas públicas de educação a distância; Políticas Públicas de Educação de Jovens e Adultos.

Proponentes:ANTONIO VIEIRA DA SILVA FILHO, DENILSON FEITOSA SANCHO, MANUEL FÁBIO MENDES PEREIRA
Este Grupo de Trabalho objetiva analisar o fenômeno Educação mediante a Crítica da Economia Política. Parte-se da compreensão de que a categoria Educação emerge dialeticamente das relações sociais que os indivíduos estabelecem na produção material/imaterial das suas existências. Alicerçado nesse ponto de partida, focaremos o debate nos seguintes temas: O principio educativo do Trabalho; História, Educação e Luta de Classes; Marxismo e Educação; Anarquismo e Educação; Liberalismo e Educação; aspectos negativos (alienação/estranhamento) e positivos (emancipação/libertação humana) da educação; valor econômico da Educação e Teoria da Capital Humano; sindicalismo, movimentos sociais, associações de classe, imprensa operária, partidos políticos, experiências educativas (formal e informal) das classes trabalhadoras e outros.

Proponentes:LADJANE DE BARROS SANTOS, JUPIRACI MARIA FARIAS MACIEL, LUCIENE SILVA DOS SANTOS, ROCHELANE VIEIRA DE SANTANA
Este GT tem como proposta criar um espaço para discussão multidisciplinar sobre investigações e práticas que tenham o objetivo de refletir sobre as questões referentes a identidades e culturas populares no contexto de educação. Há apenas algumas décadas tornaram-se visíveis os estudos e as políticas referentes às culturas populares. O discurso científico sobre o popular é uma elaboração recente. Com a delimitação precisa do objeto de estudo e com o uso de métodos especializados, as problematizações sobre culturas populares situam-se numa teoria complexa e na lógica atual das relações sociais. A partir dessas relações é possível se pensar o popular por processos híbridos e complexos, advindos dos conflitos entre cultura popular e a cultura hegemônica. Assim, a cultura popular possui dentre as suas características a resistência à dominação, a provocação e a contestação, sendo elemento importante para a formação da identidade nacional. Nesse sentido, sempre que a cultura dominante perder poder existirá o espaço para a cultura popular. Com isso, este GT pretende oferecer um espaço para o debate que busque a compreensão dos processos de apropriação dessas relações atreladas às práticas educativas.

Proponentes:MARIA JACKELINE ROCHA BESSA, EDILENE RODRIGUES BARBOSA,MARIA DAYANE DE OLIVEIRA
O Programa Institucional de Bolsas de Iniciação a Docência (PIBID) tem se mostrado eficaz para a formação de novos profissionais na área da educação. A oportunidade de vivenciar o espaço escolar, assim como de planejar aula em conjunto com os professores supervisores, tem proporcionado aos alunos bolsistas um crescimento, no âmbito educacional, satisfatório, já que, na sua maioria, tem seu primeiro contato com as escolas através do programa. Esse GT tem por objetivo socializar, através de artigos científicos, as atividades desenvolvidas pelos bolsistas PIBID, em sala de aula, juntamente com os professores supervisores do projeto e com as escolas parceiras. Para isso, propomos discutir nesse GT como tem sido as experiências do projeto PIBID com relação às atividades que vêm sendo desenvolvidas no projeto e quais foram os resultados obtidos até então, uma vez que o PIBID atualmente atende vários cursos da graduação, desenvolvendo vários tipos de atividades lúdicas por meio do uso de imagens, música, cinema, teatro entre outras atividades como a elaboração de livros didáticos, que podem ser desenvolvidas nas escolas parceiras, cujos resultados e experiências esperamos socializar aqui neste espaço.

Proponentes:LUCINEIDE DA SILVA CARNEIRO, FRANCISCA ROZÂNGELA GURGEL CAMPÊLO,KAIZA MARIA ALENCAR DE OLIVEIRA,LARISSA CRISTINA VIANA LOPES,MARIA LEIDIANA ALVES
O objetivo deste GT é receber trabalhos que relatem experiências exitosas referentes ao ensino e aprendizagem da leitura e da escrita, no âmbito da língua materna. Assim, pretende-se agregar, aqui, propostas que discutam sobre aspectos teórico-metodológicos da leitura e da escrita nos diversos níveis de ensino, bem como sobre o processo de alfabetização e de letramento escolar na perspectiva da formação de leitores/escritores.

Proponentes:DISNEYLÂNDIA MARIA RIBEIRO, FRANCISCO JOSÉ DE LIMA,LUISA VICTOR SILVA,MARIA RAQUEL BEZERRA,PATRÍCIA ROCHA PORDEUS
Objetiva-se, com a presente proposta, discutir aspectos conceituais, operacionais e metodológicos que subjazem à inclusão escolar de crianças, jovens e adultos com deficiência, como: projeto compartilhado, currículo adaptado, organização flexível, barreiras atitudinais e/ou inclusivas na comunidade educacional e formação docente. Desse modo, ao selecionar relatos de experiências, artigos e ensaios acadêmicos, resultantes de pesquisas na graduação ou pós-graduação, que contenham em seus corpus questões inerentes às bases e práticas escolares de orientação inclusiva, busca-se, principalmente, refletir, evidenciar e problematizar experiências e ações que estão contribuindo para um ensino para Todos, e que são propagadoras de novas possibilidades educacionais.

Proponentes:MARIA LUCIA PESSOA SAMPAIO, CHARLES CARLOS DA SILVA,EMANUELA CARLA MEDEIROS DE QUEIROS,MARIA ERIDAN DA SILVA SANTOS,MARIA GORETE PAULO TORRES
Objetivamos com este GT dar visibilidade as variadas propostas e experiências de trabalhos exitosos com a leitura que venham a promover o acesso e à formação leitora, tanto em espaços escolares como em espaços não escolares. Que estas experiências tenham suas práticas voltadas a formação de crianças, jovens, adultos e idosos. Os trabalhos podem ser derivadas de estudos, pesquisas, extensão, estágio supervisionado, PIBIDs, Pontos de Leitura do MinC e/ou considerando para isso iniciativas que envolvam as tecnologia da ciência e da informação por meio de diferentes suportes recursos, desde que tenham como foco a formação e a mediação de leitores.

Proponente:HILDEMAR LUIZ RECH,MARIA ANITA VIEIRA LUSTOSA,MAYARA PINHO DE CARVALHO
No grupo de trabalho propõe-se abordar as temáticas da filosofia politica e suas conexões com a educação a partir de uma perspectiva teórica. Serão desenvolvidas reflexões críticas sobre educação contemporânea a partir de um prisma filosófico. Objetiva-se abordar os limites da educação institucionalizada em um contexto de globalização capitalista. Em um ambiente em que ocorre a privatização da educação e do conhecimento e aprofunda-se a deterioração da educação pública, a própria educação em geral encontra-se em profunda crise. Diante disso, parte-se da perspectiva de uma educação que se proponha a refletir sobre os processos políticos que a percorrem. A educação aqui é vista de uma ampla perspectiva não somente se referindo ao âmbito institucional e escolar, mas relacionando-se a ideia de emancipação.

Proponentes:ALEXANDRE MARTINS JOCA, JOELMA FREIRE CORDEIRO, CARLOS EDUARDO DE OLIVEIRA BEZERRA
No Brasil, nos últimos anos, estudos e pesquisas tem apontado a carência de saberes e práticas pedagógicas voltadas ao enfrentamento de preconceitos e discriminações de gênero e diversidade sexual na escola. Como uma das instâncias sociais responsáveis pelo desenvolvimento individual e coletivo dos sujeitos, a escola tem demonstrado bastante fragilidade na condução do processo educativo de desconstrução de preconceitos e discriminações socialmente adquiridos, de modo que práticas sexistas e homofóbicas são, por muitas vezes, produzidas e reproduzidas no próprio ambiente escolar.Esse cenário tem levado estudantes e pesquisadore(a)s da educação a desenvolver estudos e ações educativas voltadas ao debate sobre essa temática. O GT 'Gênero e Diversidade sexual na Escola: desafios e possibilidades' tem como objetivo socializar saberes e conhecimentos sobre gênero, diversidade sexual e escola oriundos de experiências desenvolvidas nos espaços acadêmico (do ensino, da pesquisa e da extensão) e nos demais espaços de formação. Desta maneira assume-se uma dimensão de relevância social, na medida em que nossa sociedade, apesar dos avanços no campo da sexualidade, tem demonstrado bastante intolerância e resistência em reconhecer e valorizar as diferenças e de compreender os direitos sexuais enquanto direitos humanos, portanto, como necessários à efetivação de uma educação, de fato, para todas e todos. Pretende-se, assim, pensar práticas educativas escolarizadas que proporcionem relações sociais positivas com LGBTT no ambiente escolar, apresentando subsídios importantes para a análise do trato com e sobre a diversidade sexual no espaço escolar.Acredita-se que socializar saberes, conhecimentos e questionamentos acerca das fragilidades e possibilidades do espaço escolar é uma importante estratégia para desenvolver uma educação sexual sob a perspectiva do enfrentamento ao sexismo e à homofobia. Deste modo, contribui-se com os processos de formação docente (inicial e continuada) educadores/as sobre gênero, diversidade sexual e cidadania.

Proponentes:KARINA KLINKE, KAMILA HENTGES CARDOSO,MÁRCIO ARAÚJO DE MELO,MICAL DE MELO MARCELINO
Os últimos 40 anos de pesquisa no ocidente são marcados pela presença do livro, da leitura e da escrita como objetos de investigação. A maioria dos estudos contribui para mapear 'quem', 'o quê', 'onde' e 'quando' a leitura e a escrita acontecem. A menor parte deles, por sua vez, desloca-se destas preocupações para responder perguntas mais difíceis sobre 'como' e 'por que' se exercem essas práticas. Essas trajetórias de pesquisa não se constituíram como um campo de estudos autônomo, uma vez que seu objeto foi construído e parcelado por um conjunto campos de saber, como História, Sociologia, Linguística, Psicologia, Psicanálise, Antropologia, Política e Educação. Isso favorece sua produção devido ao diálogo intenso entre as diversas áreas de conhecimento que se dedicam ao estudo, beneficiando sua circulação e o inter-relacionamento das pesquisas. A variedade de campos tem como foco, em grande parte, as experiências escolares de leitura, de escrita e uso do livro. Observa-se, nestes estudos, que predomina a tendência em buscar, através das práticas de uso do livro (a leitura e a escrita), apreender sua singularidade histórica, social, linguística, psicanalítica, antropológica, política e educacional. Compreendem o modo pelo qual condições sociais particulares fazem emergir modos de ler e de escrever, usos da leitura e da escrita e significações que não podem ser inferidos de uma essência das práticas mesmas. O encontro de pesquisadores do livro, da leitura e da escrita possibilita, portanto, apreender articulações entre esses diferentes modos da abordar e lidar com o livro e os fenômenos da leitura e da escrita, dos quis decorrem diversos pontos de articulação, colaborando para o desenvolvimento, a circulação e a divulgação dessas pesquisas. O objetivo deste GT é, pois, promover este encontro para troca de experiências sobre temas, problemáticas, metodologias, referenciais teórico-metodológicos, resultados e assim refletir sobre a relevância da investigação destes objetos para a educação.

Proponentes:CLODOALDO MARQUES GOMES, ALESSANDRA MARIA DOS SANTOS,CASSIANA MARIA DE FARIAS,EDELSON DE ALBUQUERQUE SILVA JUNIOR,PAULO RICARDO PEREIRA
Dialogar sobre a Educação do Brasil (Formal e Não-Formal) sempre será necessário, tendo em vista que é recorrente atribuir a ela a resolução dos grande problemas sociais que vivemos em nosso país. E ao lhe atribuir tanta responsabilidade, acabamos esquecendo que a Educação (sozinha) nunca conseguirá acabar com as mazelas vivenciadas por nossa sociedade, já que vivemos em um sistema complexo, onde diversos fatores, entre eles os interesses particulares de quem detém o poder econômico, acabam tendo influência quase que hegemônica nos rumos das nossas vidas. O controle social é cada vez maior, pois o mais importante é garantir que não haja modificações na ordem econômica mundial. Deixando claro que quem dita agora é a Economia. Por este motivo, entendemos que por em debate as práticas educativa emancipatórias, que ocorrem em espaços de Educação Formal e Não-Formal, possibilita aos estudantes de Pedagogia e profissionais da Educação enxergarem novos rumos e ressignificações para o trabalho docente. Criar um espaço onde sejam discutidas práticas que, em sua essência, existem para emancipar as pessoas, mostrando-lhes que há outros sentidos pelos quais viver e conviver para além do consumismo, possibilita, não só evidenciar o trabalho de quem consegue construir mecanismos de resistência à lógica neoliberal, através de uma educação que trabalha toda a complexidade do mundo em que vivemos, contribuindo positivamente com a formação humana dos indivíduos, mas também incentiva a realização de novas pesquisas sobre este tema. Sendo assim, debateremos sobre as práticas emancipatórias desenvolvidas nas escolas regulares, nos espaços de Educação do campo, das comunidades ribeirinhas, das quilombolas e dos Movimentos Sociais e Populares que atuam no campo e na periferias.

Proponentes:ANTONIA SUELI DA SILVA GOMES TEMOTEO, MICHARLANE DE OLIVEIRA DUTRA
A discussão deste grupo de trabalho enfatiza a socialização de experiências vivenciadas nos programas formativos que se desenvolvem nos cursos de licenciatura, podendo-se citar: PIBID, PRODOCÊNCIA, PARFOR, Programas de Monitoria, dentre outros que tenham como objetivo fortalecer o processo de iniciação à docência do graduando. Nessa perspectiva, aceitará trabalhos desenvolvidos no âmbito das licenciaturas com foco nas atividades que se priorizam a compreensão da função docente, na universidade e na escola, voltados para a implantação de práticas pedagógicas inovadoras no exercício da docência, que resultem no fortalecimento da formação em nível superior e sua relação com a educação básica. De acordo com as normas do FIPED, os trabalhos devem ser de autoria dos graduandos, podendo ter professores como coautores.

Proponente:SIMONE CABRAL MARINHO DOS SANTOS, JOSÉ RAUL DE SOUSA,ZÊNIA REGINA DOS SANTOS BARBOSA
O GT 'Reconhecimento social e Êxito escolar' objetiva oferecer à comunidade acadêmica a oportunidade para discutir a relação entre o conceito de reconhecimento social como o êxito escolar, bem como os fatores intervenientes que condicionam esse percurso. A possibilidade/oportunidade de investigação/discussão do tema constitui-se em grande motivação, uma vez que a maioria das pesquisas se ocupam em discutir o fracasso, a desistência e a evasão, deixando à margem, os casos exitosos. Entenda-se por êxito a capacidade de alcançar um pleno desempenho escolar e acadêmico, a partir da aquisição de valores, conhecimentos, habilidades para ultrapassar e vencer as barreiras sociais. Este também se configura como um espaço aberto a relatos de experiências exitosas na educação básica e no ensino superior.

Proponentes:MARCIA GARDENIA LUSTOSA PIRES,ALANA DUTRA DO CARMO,MATEUS BONIE CAMPOS BRAGA,TÂNIA SERRA AZUL MACHADO BEZERRA
A proposta de Grupo de Trabalho com abordagem da temática Trabalho e Educação tem como objetivo debater a problemática que envolve a categoria trabalho, compreendendo-a como elemento fundante da sociabilidade humana e suas implicações para a educação, partindo dos pressupostos do materialismo histórico-dialético. Nesse GT propõe-se favorecer uma análise sobre a relação Trabalho e Educação no quadro econômico-social, político e ideológico evidenciado no arranjo societário do capitalismo contemporâneo. Serão fomentadas reflexões críticas sobre a educação contemporânea no contexto de uma crise social sem precedentes, na qual ocorre a privatização da educação e do conhecimento e aprofunda-se a deterioração da educação pública. Diante disso, parte-se da perspectiva de favorecer um debate crítico que se proponha a refletir sobre os processos políticos que a percorrem, buscando um entendimento da articulação trabalho e educação na perspectiva da emancipação humana.

Proponentes:MARIA JOSÉ ALBUQUERQUE DA SILVA,ANA PRISCILA FERNANDES DE ARAÚJO MATOS,INGRID LOUBACK DE CASTRO MOURA,MARIA ALINE PEREIRA DA COSTA,TAUANE GOMES MOREIRA
Em tempos de crise do modelo social capitalista vigente, de descrença e desânimo em relação ao papel da educação como fenômeno social capaz de favorecer o desenvolvimento do ser humano nas diversas dimensões que o constituem - cognitiva, física, psíquico motora, afetiva, emocional -, é essencial reafirmarmos o compromisso com o educar para o pensar e para o agir no mundo de forma consciente e engajada. Para tanto, é oportuno compartilharmos experiências exitosas constituídas no contexto acadêmico tanto da universidade quanto da escola, a partir de relatos de situações concretas eivadas do sentido emancipatório e focadas na aprendizagem significativa. É papel de todo educador intervir no ato pedagógico como agente ativo e mediador entre o conhecimento e os alunos. É sua tarefa também manter viva a crença e a esperança no crescimento dos alunos como sujeitos pensantes e criadores de cultura. Assim, com base na relação indissociável entre teoria e prática, defendemos um currículo crítico e uma educação emancipatória como instrumentos que podem contribuir para a transformação social em prol dos grupos e classes sociais historicamente desfavorecidos. A partir desses referenciais, o GT propõe a discussão das seguintes temáticas: A reflexão crítica como fundamento da formação docente; A atuação profissional com fins emancipatórios: experiências de ensino e aprendizagem na escola; Em defesa de uma Pedagogia crítica e do processo de ensino e de aprendizagem com qualidade social. O GT tem como objetivos: Promover reflexões críticas sobre a formação docente ofertada nos cursos de Pedagogia; Suscitar debates sobre a atuação profissional alicerçada no compromisso com a humanização dos indivíduos; Situar o trabalho docente na escola como categoria de análise e problematização como atividade pedagógica específica e especializada em conhecimentos e saberes; Socializar e debater relatos de práticas inovadoras, centradas na produção do conhecimento e na sua socialização individual e coletiva, na perspectiva da formação humana omnilateral.

Proponentes:ANA CARMITA BEZERRA DE SOUZA,BRUNA DE OLIVEIRA SOARES, MARIA APARECIDA MARINHO RAMOS, LINA LUZ CAVALCANTE
Estudo dos impactos da cultura contemporânea sobre os processos formativos que ocorrem na educação formal e informal. caracterização da cultura da mídia. aprofundamento teórico e empírico de conceitos como cultura, currículo e educação na perspectiva da multiculturalidade, da interculturalidade e da diversidade.

Proponente:PAULO HENRIQUE FREITAS MACIEL,MARIA LUZIRENE OLIVEIRA DO NASCIMENTO
Transformações produtivas e educação profissional; juventude, trabalho e educação; educação profissional e tecnológica no brasil. perspectivas históricas e filosóficas; educação profissional e tecnológica: dualidade histórica e perspectivas de integração.

Proponente:MARLY MACEDO, ROBERTO KENNEDY GOMES FRANCO
O gt pretende reunir trabalhos que versem sobre pesquisa no campo da história da educação, bem que relatem experiências de ensino com a disciplina. a proposta objetiva congregar o ensino com a pesquisa e pensar seu lugar na formação de professores.

Proponente:OSMAR RUFINO BRAGA
Processo histórico da eja, políticas públicas e a eja, formação e prática docente, instrumentos de avaliação, metodologia de ensino na eja, relação professor aluno no contexto da eja, os sujeitos da eja.

Proponente:Prof. Dr. SAMUEL PIRES MELO, Prof. Msc. EDMARA DE CASTRO PINTO, Prof. Dra. LUCIANA MATIAS CAVALCANTE
Promover debate acerca da categoria juventude e educação, privilegiando as discussões sobre formação, cultura e identidade dos jovens das camadas populares, assim como as reflexões sobre sua inserção no mercado de trabalho formal e informal, articuladas ao debate sobre cooperativismo e economia solidária no âmbito dos movimentos sociais. ementa: juventude e formação na escola pública; juventude, formação e atuação no mercado de trabalho; juventude, cultura e identidade; pesquisa e juventude – propostas inovadoras de metodologias e técnicas de investigação com os jovens; juventude, formação humana e dialogicidade em paulo freire; organização da escola e valorização da cultura jovem; juventude, educação popular e formação em espaços não escolares; vivências da juventude no associativismo/cooperativismo e economia solidária.

Proponente:CLORIS VIOLETA ALVES LOPES
O papel da didática para a formação de professores; desenvolvimento histórico da didática e tendências pedagógicas; experiências de ensino/aprendizagem e os processos didáticos; cotidiano escolar, práticas pedagógicas e didática; a dinâmica/didática da sala de aula; a didática e a relação professor/aluno; o trabalho didático e a relação com a totalidade do processo educativo.

Proponentes:
Este gt pretende discutir e reunir trabalhos que problematizem a produção do conhecimento mediatizado pelo ensino de história, com investigações que proponham espaço de socialização das experiências de ensino e pesquisa envolvendo práticas pedagógicas, desafios e perspectivas da formação (inicial e continuada) de professores, (re)significando o processo de formação docente.

Proponente: Profa. Dra. CRISTIANE MARIA NEPOMUCENO (DFCS/UEPB- NEAB-Í)
O GT objetiva reunir pesquisadores(as), professores(as) e alunos(as) interessados(as) em discutir o processo de implementação da educação etnicorracial a partir da institucionalização das Lei 10.639/03 e 11.645/08 que determinaram a obrigatoriedade do ensino de História e Cultura Afrobrasileira, Africana e Indígena no sistema educacional de ensino. Assim, refletir sobre os avanços, os obstáculos e os limites encontrados ao longo do processo de implementação de uma educação voltada para o reconhecimento e a valorização da diversidade etnicorracial no Brasil.

Proponente: JAMESON RAMOS CAMPOS
Discutir questões relacionadas aos processos de formação e profissionalização docente e temas relacionados diretamente ao trabalho do professor. Estudos sobre a problemática da formação do educador, sobre a profissão e o trabalho docente, além de estudos sobre as condições de trabalho e suas implicações sobre o professor como pessoa e como profissional deverão compor essa sessão de comunicação. Acreditamos que investir na compreensão das experiências de vida social e profissional desse grupo é fundamental para saber quem são, o que pensam e sentem, e como agem no cotidiano do trabalho.

Profª Lívia Sonalle do Nascimento Silva (CAMEAM-UERN) Graduanda: Emylle Barros de Almeida Fonseca(CAMEAM-UERN)

TOP

A wonderful serenity has taken possession of my entire soul, like these sweet mornings of spring which I enjoy with my whole heart. I am alone, and feel the charm of existence in this spot, which was created for the bliss of souls like mine.

I am so happy, my dear friend, so absorbed in the exquisite sense of mere tranquil existence, that I neglect my talents. I should be incapable of drawing a single stroke at the present moment; and yet I feel that I never was a greater artist than now.

When, while the lovely valley teems with vapour around me, and the meridian sun strikes the upper surface of the impenetrable foliage of my trees, and but a few stray gleams steal into the inner sanctuary, I throw myself down among the tall grass by the trickling stream; and, as I lie close to the earth, a thousand unknown plants are noticed by me: when I hear the buzz of the little world among the stalks, and grow familiar with the countless indescribable forms of the insects and flies, then I feel the presence of the Almighty, who formed us in his own image.

Duis dictum tristique lacus, id placerat dolor lobortis sed. In nulla lorem, accumsan sed mollis eu, dapibus non sapien. Curabitur eu adipiscing ipsum. Mauris ut dui turpis, vel iaculis est. Morbi molestie fermentum sem quis ultricies. Mauris ac lacinia sapien. Fusce ut enim libero, vitae venenatis arcu. Cras viverra, libero a fringilla gravida, dolor enim cursus turpis, id sodales sem justo sit amet lectus. Fusce ut arcu eu metus lacinia commodo. Proin cursus ornare turpis, et faucibus ipsum egestas ut. Maecenas aliquam suscipit ante non consectetur. Etiam quis metus a dolor vehicula scelerisque.

Nam elementum consequat bibendum. Suspendisse id semper odio. Sed nec leo vel ligula cursus aliquet a nec nulla. Sed eu nulla quam. Etiam quis est ut sapien volutpat vulputate. Cras in purus quis sapien aliquam viverra et volutpat ligula. Vestibulum condimentum ultricies pharetra. Etiam dapibus cursus ligula quis iaculis. Mauris pellentesque dui quis mi fermentum elementum sodales libero consequat. Duis eu elit et dui varius bibendum. Sed interdum nisl in ante sollicitudin id facilisis tortor ullamcorper. Etiam scelerisque leo vel elit venenatis nec condimentum ipsum molestie. In hac habitasse platea dictumst. Sed quis nulla et nibh aliquam cursus vitae quis enim. Maecenas eget risus turpis.